10 de março de 2008

Trair e Coçar é só Começar


Cumprindo o combinado de atualizar uma semana , estou enviando duas criticas pro site , no dia de hoje...
---------------------------------------------------------------------------------------------------

Antes de começar a fazer esta critica , eu queria perguntar pro leitor :O filme brasileiro de comédia é pior do que os americanos?
Na minha opinião , não. Produzimos algumas besteiras de vez em quando. Mas geralmente superamos as comédias "forçadas" americanas. Ou você realmente achou "Deu a Louca em Hollywood" engraçado? Ou Norbit? No brasil tivemos este ano , a obra-prima "Saneamento Básico , o Filme" , ou até mesmo se você quer encaixar neste gênero "O Cheiro do Ralo". Agora outra pergunta : Trair e coçar é só começar é bom? Não. É melhor do que muitos filmes de comédias americanos lançados nesse ano? Sim.
Pronto. É por aí que você tem de reconhecer o valor do filme brasileiro "Trair e Coçar é só Começar". Ele não é um grande filme , mas é um bom filme agua com açucar.

Na história , Olímpia é uma intrometida e confusa empregada, que desconfia que seus patrões, Inês e Eduardo, estão tendo casos. A própria Inês desconfia que Eduardo a está traindo, com Salete. A mesma desconfiança tem Cristiano, marido de Lígia, que acredita que ela está lhe traindo com Ricco. Há ainda Vera, que desconfia que seu marido Cláudio tem um caso com Inês. Todos estes casais moram um condomínio de classe média alta, onde estas desconfianças causam várias confusões.
Dirigido por Moacyr Góes e baseado na peça teatral Trair e coçar é só começar, de Marcos Caruso. O filme tem um tom simples e leviano. Mas é ao mesmo tempo um tom realista que não deixa o espectador bocejar ao longo da projeção. Um bom trabalho de Góes que consegue desenvolver um tom simplista que o filme precisava. Realmente o único problema do filme são as atuações.

Adriana Esteves não consegue trazer absolutamente nenhuma simpatia a sua empregada , pelo contrário o espectador fica profundamente revoltado com a cena final. E Cassio Gabus Mendes , Ailton Graça , Otavio Müller e Bianca Byington estão razoavelmente bens. Não conseguem trazer nenhum "quê" a mais para trama , mas também não interfere nela.

O filme não consegue se dar tão bem com o espectador como conseguia fazer no teatro , mas nem de longe chega ser um filme ruim. Na cabeça do espectador , só fica faltando alguma coisa a mais , que faça nos importarmos um pouco mais com o destino que a história ruma e até mesmo seus personagens

(2 estrela em 5)

3 comentários:

Diego Moretto disse...

A diferença entre a comédia americana e a brasileira (falando das comédias ruins de ambas), é q a americana é aquele humor forçado e disperso (ja q são mais de 40, 50 roteiristas em um projeto só) e a brasileira é o mau hábito de tentar colocar o esquema de novelas no cinema. Não sei se fui claro, mas falando do pq algumas comédias serem um fisco, este é um belo exemplo - na minha opinião.
Gostei da nota. abração!

Bruno disse...

O filme é extremamente chato, repetitivo... cheio de confuzõezinhas, intriguinhas, fofoquinhas, entra e sai de gente... irritante demais.
A trama se passa sempre no mesmo lugar... uma completa monotonia... ridículo.
Não esperava que seria assim... uma verdadeira VERGONHA ao cinema nacional !!! Não dei nenhuma risada durante todo o filme.
Gente vcs gostaram do filme? Não é possível..

Anônimo disse...

O filme é divertido, Adriana está ótima, assim como Ailton Graça, que eu adoro... A proposta foi fazer rir, e conseguiu. Há coisas piores americanas super badaladas.