28 de julho de 2008

Wall:E

Wall:E

Certamente se você sair procurando críticas ou comentários sobre o Wall:E por sites de cinema ; você ira ver um tema presente em todas essas criticas. A Pixar. Realmente não é de hoje que essa empresa responsável por obras como: Toy Story , Carros , Vida de Inseto , Procurando Nemo , Os Incríveis , Rattatouille, para não citar outras obras primas – vem mudando a face da animação, de forma apaixonante. Sempre um longa-metragem feito com extrema paixão, é bem vindo aos nossos olhos. Algumas pessoas podem não entender o real significado desta obra de arte , e irá chamá-lo de “bonitinho”. “Wall:E” não é apenas “bonitinho” , mas sim uma obra impecável em todos os sentidos, uma poesia cinematográfica que toca em nossos corações.

No ano 2700, a Terra se tornou um lugar inabitável devido à imensa quantidade de lixo despejado. É quando o solitário robô Wall:E, encarregado de limpar o planeta tem a oportunidade de ter uma nova vida e conhecer os humanos, que agora vivem em uma imensa nave chamada Axiom.

Se você já entra a algum tempo no blog, certamente já viu a lista de melhores do ano. Se viu , os primeiros lugares quase sempre são preenchidos por essas obras primas da Pixar , como foi com “Ratatouille” no ano passado. E “Wall:E” dificilmente perderá o lugar para qualquer outro filme esse ano. Começamos a falar de seu tempo de duração , que incomoda muita gente. Uma hora e 40 minutos parece não ser muito , mas para uma animação é sim , e na viagem para a nave dos humanos isso fica absolutamente claro , despertando reações de cansaço em algumas pessoas. O que é facilmente contornado nas cenas seguintes. Dito isso , esse é o único ponto negativo desta obra de arte.

Primeiro temos Wall:E o personagem titulo. No primeiro minuto já nos provoca profunda tristeza por vermos sua situação. E devo dizer que desde os tempos que Walt Disney impressionou com a qualidade gráfica de Branca de Neve e os sete anões , não víamos uma coisa sobrenatural destas em tela. Até irei citar um parágrafo escrito por Roger Ebert em seu livro “Grandes Filmes” , sobre Branca de Neve de 1937: “Em uma época em que a animação representava uma difícil atividade de desenhar quadro a quadro e em que cada detalhe de movimento adicional exigia dias ou semanas de trabalho do artista , Disney imaginou um filme em que todos os ângulos e todas as dimensões incluíssem algo vivo e em movimento.Preencheu o fotograma de alto e baixo, na frente e no fundo(e por isso foi totalmente errônea e logo cancelada a decisão do estúdio, na década de 80, de lançar em tela panorâmica uma versão mutilada).De fato, os fotogramas de Disney eram tão complexos que os cells dos desenhos curtas ,não foram suficientemente grandes para a animação. A cena da Branca de Neve correndo pela floresta era uma técnica impressionante para a época e de encher os olhos dos responsáveis”.

“Uma técnica impressionante para a época e de encher os olhos dos responsáveis”.

Daqui a algum tempo essa citação provavelmente será a melhor indicada também para a animação Wall:E. Desde os trailers nós já nos emocionávamos com a “carinha” do Wall:E , era impressionante o trabalho que o desenhista de produção Ralph Egglestone(Procurando Nemo) passou a deixar o mais verossímil possível. O resultado foi uma cara solitária e sem aventuras do dócil robô Wall:E , que transforma as primeiras cenas do filme nas mais emocionantes da história do cinema. O primeiro olhar de Wall:E para o espectador , os reflexos da chama nos olhos dele , ou a primeira vez que ele diz seu nome , é quase impossível não ficar admirado ou soltar algumas lagrimas pela simples emoção de um robô.

“Dois robôs tocam mais o nosso coração, do que jamais sentimos antes”

A emoção transforma “Wall:E” num filme arrasador. O que a Pixar já teria tentado fazer na animação “Carros”, de dois personagens feitos em computação gráfica se apaixonarem , aqui finalmente consegue. Enquanto “Carros” parecia estar forçando à barra com o namoro estendido dos dois carros , vemos em “Wall:E” a necessidade desse amor. A necessidade de um simples cruzar de dedos. A necessidade de viver.

“Eu não quero sobreviver , eu quero viver.”

Essa frase dita pelo capitão da nave é a melhor frase que o roteiro de Andrew Stanton poderia dar ao momento. As necessidades de todos no filme ficaram expostas o tempo todo. Começamos pela sobrevivência de “Wall:E”. Ele sobreviveu durante anos e anos na terra, ficou sendo o único robô do planeta a sobreviver à intensa névoa de poluição que matava os robôs. Mas cansado de só sobreviver sozinho, encontra “Eve” uma robô vinda da nave dos humanos atrás de alguma forma de vida em nosso planeta. E quando Eve parte para a nave , “Wall:E” começa a VIVER uma aventura que mudará a sua vida para sempre. A frase do capitão simplesmente fazia parte do filme como um todo, e a necessidade dos humanos começarem a viver era evidente na situação extrema em que se encontravam.

“A terra pode melhorar , é só nós começarmos a lutar por ela”

A política de conscientização usada no filme por Stanton é o que transforma Wall:E no melhor desenho/animação de todos os tempos , na minha opinião.
As cenas pesadíssimas dos primeiros atos confirmam isto. As montanhas de lixo acumuladas pelos seres humanos , deixaram a vida inexistente na terra. E o que surge? Empresas ou presidentes tirando vantagem. Logo que vemos as montanhas de lixo , vemos o presidente dos EUA lançando uma campanha de viagem ao espaço , enquanto os robôs “Wall-E” limpam a nossa bagunça. Tática que não dá certo, e deixam os humanos mais do que o previsto – um cruzeiro espacial de 5 anos , se transforma em 500. Até a conscientização de alguns indivíduos de mudar o planeta. Algumas frases e cenas irão ficar na memória por anos. Como o presidente e o robô Auto mostrando-nos a saída mais “fácil” , logo depois Stanton nos mostra brilhantemente os lixos sendo administrados por “Wall:Es” maiores , e despejados no espaço , nos mostrando essa saída mais fácil. Temos também cenas chocantes em que descobrimos que essas saídas mais fáceis, nos fez seres obesos , e que não sabem ler ou andar. Temos até aplausos por parte dos humanos quando alguém começa a lutar contra a sua estrutura óssea , ao passo da trilha sonora de “2001 – Uma odisséia no espaço” , o que combina totalmente com a trama e a cena , diga-se de passagem.

Por fim , Stanton em sua política de conscientização , ainda nos traz bebês plantando para um futuro melhor, e devo dar os parabéns a esta cena , pois a sutileza como foi colocada vi poucas vezes na minha vida de cinéfilo. Fica a mensagem para quem quiser ver e fazer o mundo melhor , que Stanton propõe ou deixarmos para os nossos netos , tataranetos , resolverem o problema que nós criamos , afim de encontrarmos a saída mais fácil. E essa é a mensagem mais honesta e brilhante que um “simples” filme de criança pode passar. Por isso me levanto da cadeira e bato palmas por um minuto para esse divisor de águas da animação que acabou de chegar nos nossos cinemas. Obrigado Stanton. Obrigado “Wall:E”.

(5 estrelas em 5)

4 comentários:

Flá Absolut disse...

Quando o assunto é cinema, filmes, e a mensagem que qquer um em particular transmite, eu adoroooo

adorei seu blog, e adorei o assunto principal

^^

Vanessa disse...

Ei, muito boa essa tua crítica hein! Adorei...
Parabéns de novo pelo texto.
Beijos

historia&historias disse...

Ainda não assisti essa animação, vou esperar lançar em DVD, mas se eu fosse confiar nas críticas que são publicadas nos meios de comunicação certamente não iria ver, falam que é uma animação enfadonha, pelo que eu li achei justamente ao contrario, um bom momento para todos refletirem. Aliás esse pode ser meu programa de dias dos pais com meu filho. Muito bom esse blog.

Diego Moretto disse...

Ta...tbm deixo vc me jogar pedras por não ter assistido o Wall-E nos cinemas..mas é que eu viajei e acabei perdendo as sessões. Tenso e indesculpavel. Mas pelo trailer e pelo o que ando lendo, realmente parece ser um filme de uma qualidade excepcional. Pelo visto já é um clássico, e acredito que não apenas substituíra Batman este ano. Ou estou errado?

Sumiu do blog rapaz....kd tu? rs. Abração!!

OBS: Esta é a sua melhor crítica. Parabéns =)